Posted on

Novos conceitos de solos moles.

O mundo está mudando de forma rápida e profunda. O universo do solo mole também, com o advento da técnica de melhoramento de solos, particularmente com relação a questão da instabilidade e do real controle da deformação.

Esta técnica, que impõe verdadeira modificação nas condições geotécnicas iniciais do solo mole alteram, de forma significativa as frentes de trabalho pertinentes a área de certificação, ampliação rodoviária e na construção portuária. Vejam porque. Na área de certificação das técnicas de tratamento de solo, seja por melhoramento efetivo com o geoenrijecimento do solo mole, seja pela imposição de colunas ou georeforço que, efetivamente, não melhoram o solo, apenas transferem as cargas da superfície para as camadas resistentes profundas, apresentaremos um normativo de certificação interessante. Para a determinação do comportamento geotécnico, torna-se necessário avaliar a resistência final do solo, de modo a oferecer a estabilidade, a capacidade de carga e a durabilidade necessárias além, claro, da rigidez que possibilita reduzir ou eliminar a compressibilidade, evitando recalques.

O natural advento do volume de tráfego em nossas rodovias, torna obrigatório o aumento de sua capacidade viária, ampliando-se o aterro rodoviário existente. Duas questões sobressaem, o da ampliação do corpo estrada e a trivial presença de solos moles no local. Esta associação torna a obra geotécnica extremamente complexa e perigosa, em razão de inúmeros problemas. As consequências são extremamente prejudiciais aos usuários, além de custosas e de difícil solução, em razão do fechamento de faixas de tráfego. Procuramos dimensionar uma situação típica de duplicação rodoviária, identificando uma solução com georeforço e outra com geoenrijecimento, que muito ajudará você em situações semelhantes.

Projetos portuários, por sua vez, geralmente estão situados ao longo de áreas costeiras, desafiando engenheiros geotécnicos com a combinação de solos moles, cargas pesadas, exposição e riscos naturais e, naturalmente, a construção no ambiente marítimo ou fluvial. Nesta edição estaremos apresentando novo conceito  de como preparar o solo mole, de maneira segura e rentável, de modo a viabilizar futuras obras portuárias.

 

Deixe um comentário