Posted on

Prezado leitor, como programado estamos dando, de novo, ênfase a questão dos empreendimentos logísticos ou construções horizontais quando há presença de solos moles no terreno. No meio geotécnico, ainda há o completo desconhecimento da técnica que, efetivamente, melhora solos moles. Com este cenário, projetistas fazem uso abusivo de estacas, todo o tipo de estacas, neste tipo de estrutura, mesmo sabendo que a estrutura impõe ao solo pequenas tensões, da ordem de 5 ton/m2. Só neste ano que finda, fui chamado a dar solução para três casos de empreendimentos logísticos, que foram estaqueados, piso e pilares, outros apenas pilares, no entanto, com o mesmo problema comum: a ação do aterro, necessário ao greide de projeto, carregando o solo mole de fundação, com valores da ordem de 10 ton/m2, ou seja, maior que a própria carga da estrutura, impondo deformações verticais, inclusive nas estacas.

Junta-se ainda, a este crítico cenário, a presença de taludes submersos que cobram seu preço, impondo deformações laterais no aterro e, consequentemente, na estrutura. É preciso entender que o efeito sanduíche, com a presença do solo mole entre pesados aterros e o talude submerso é um importante fatora ser considerado, analisado simplesmente com a elaboração de perfiz geotécnicos. Todas estas considerações precisam ser visualizadas pelo projetista de estruturas horizontais ou logísticos. O confortável e sistêmico uso de estacas, para atravessar solos moles, está sendo minimamente inconsequente e muito desastroso. É impressionante o nível de deformação, imposto em estruturas construídas nestas condições, seja nas próprias estacas, na estrutura e em toda a volta do empreendimento pois, como de costume, quando carrega (o solo mole) não é a estrutura mas sim, o aterro. Na verdade, quando da existência de taludes submersos, o projetista logístico não percebe que irá dimensionar uma estrutura em que pode já haver processo progressivo de rutura do talude. 

Esta situação torna-se cada vez mais comum e frequente, na medida em que cada vez mais construímos sobre terrenos com solos moles, já que é o que sobrou. O melhoramento do solo mole, com Geoenrijecimento, estabelece o padrão de solução para este tipo de empreendimento, caracterizado pela leveza das cargas impostas ao solo, e naturalmente, a interrupção do erro sistemático de se estaquear.

 

Deixe um comentário